segunda-feira, 25 de novembro de 2019

quarta-feira, 10 de julho de 2019







Darius Laurinavicius


Start - Cabo Girão Skywalk 0:30s - Vereda do Pico Ruivo (PR1) 1:58 - Vereda dos Balcões (PR11) 2:39 - Porto Moniz Natural Swimming Pools 2:58 - Levada das 25 Fontes (PR6) 3:13 - View point near Faial (32°47'31.57"N 16°51'18.14"W) Music: Antarctic breeze - prometheus



sexta-feira, 5 de julho de 2019

A mulher como objeto


imagens publicitárias


A mulher representada anula-se como pessoa e assume o papel do objeto observado, vendido, comprado e consumido. Quando as mulheres são objetificadas são também tratadas como corpos que existem para o uso e o prazer dos outros. O corpo é despojado de individualidade e personalidade. O primeiro passo em direção da objetivação sexual é o olhar objetificador. O conceito de objectification (sobre o qual já tinham falado Catharine MacKinnon e Andrea Dworkin) foi aprofundado pela filósofa Martha Nussbaum (1999). De acordo com a mesma, as dimensões da objetificação manifestam-se através de sete características:
  1. Instrumentalização: o objeto é um instrumento usado pelos outros;
  2. Negação da autonomia: o objeto é uma entidade sem autonomia e autodeterminação;
  3. Inércia: o objeto é uma entidade que não conhece a capacidade de agir e de ser ativo;
  4. Intercambiabilidade: o objeto é intercambiável com outros objetos da mesma categoria;
  5. Violabilidade: o objeto é uma entidade não íntegra, portanto, é possível reduzi-lo em pedaços;
  6. Propriedade: o objeto pertence a alguém e pode ser vendido ou emprestado;
  7. Negação da subjetividade: o objeto é uma entidade cujas experiências e cujos sentimentos são trascuráveis.

Se as mulheres são objetos sexuais, consequentemente podem ser tratadas como tais, portanto violadas, abusadas, maltratadas. O controlo sobre o corpo da mulher e sobre a sua reprodução social continua a constituir um importante ponto não resolvido na sociedade capitalista e androcêntrica, daí a sua objetificação.

In A imagem violenta gera violência: viagem através da representação destorcida do corpo feminino na publicidade italiana. Débora Ricci


Esta comunicação da investigadora Débora Ricci, que eu considero muito interessante,  integra o livro Estudos de género. Diversidade de olhares num mundo global, coordenado por Anália Torres, Dália Costa e Maria João Cunha. O livro tem origem num conjunto selecionado de comunicações apresentadas no I Congresso Internacional promovido pelo CIEG, Centro Interdisciplinar de Estudos de Género, do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa (ISCSP-ULisboa) - disponível em:http://cieg.iscsp.ulisboa.pt/

Nota: as imagens foram retiradas da mesma comunicação

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Steven Pinker - Ética, Valores e Política


Debate com Michael Sandel e Steven Pinker, moderado por Gonçalo S. Matias


Debate sobre Ética, Valores e Política com os reconhecidos filósofo Michael Sandel e psicólogo Steven Pinker, no Encontro da Fundação Francisco Manuel dos Santos de 1 de Junho de 2019.

Debate na íntegra, em: https://www.youtube.com/

domingo, 19 de maio de 2019

sábado, 6 de abril de 2019

Paradoxo “Estar em baixo para chegar mais alto”


Ball of Light, Denis Smith


Não é fácil digerir o impacto que pode ter em nós em termos de emoções negativas, constatarmos que em certas circunstâncias, determinadas pessoas com algum poder político, social…ou com pretensões a tal, fingem não nos reconhecer ou dar pela nossa humilde presença.
Por muita teoria sociológica a que possamos recorrer para explicar estes fenómenos, é possível simplificar: todas estas pessoas têm em comum, a preocupação pela sua imagem e a dependência da opinião dos outros. Também têm em comum, a necessidade de manter essa imagem positiva com base nos resultados (muitas vezes fantasiados) das suas atividades ou em aptidões. É também uma forma de se libertarem do medo do ridículo que as atormenta. 
No seu livro “A arte de não amargurar a vida – Pensar Bem para Viver Melhor” (um bom livro de auto-ajuda) o psicólogo Rafael Santandreu apresenta um paradoxo que seria a solução para estes comportamentos: “para chegar mais alto é preciso saber estar em baixo e sentir-se bem”. 
O caminho é ser capaz de imaginar que é possível ser-se “menos” (como não ser em algumas situações?), ter valor e sentir-se confortável com isso. 
Para esta filosofia libertadora, também ajuda concentrar-se no que é realmente importante: a capacidade de amar e fazer coisas úteis e positivas para si e para os outros (estar em "alto"), mesmo sendo pobre, feio, ou desajustado ou.....(estar em "baixo").
Quando nos cruzarmos com pessoas que só nos conhecem quando lhes convém, talvez seja melhor pensarmos que elas não sabem o segredo: que é possível não se precisar de ser “alto”, para se sentir poderoso, e ser essencial na vida de alguém, até num encontro breve com um desconhecido.