domingo, 29 de junho de 2014

Paradoxo da recuperação

Nigel Buchanan

Recuperação não se refere a um produto final ou resultado. Isso não quer dizer que se está "Curado". De fato, a recuperação é marcada por uma aceitação cada vez mais profunda das nossas limitações.
Mas agora, ao invés de ser uma ocasião de desespero, descobrimos que nossas limitações pessoais são a terra da qual brotam as nossas próprias possibilidades únicas. Este é o paradoxo da recuperação, ou seja, que ao aceitar o que não podemos fazer ou ser, começamos a descobrir que o que puderemos ser e o que poderemos fazer. Assim, a recuperação é um processo. É um modo de vida. É uma atitude e uma forma de abordar os desafios do dia-a-dia. Não é um processo perfeitamente linear, como as marés, a recuperação tem suas estações, o seu tempo de crescimento, para baixo na escuridão, para garantir novas raízes e em seguida, os tempos de sair à luz do sol. Mas acima de tudo, recuperação é um processo lento, deliberado, que ocorre através de um pequeno grão de areia de cada vez.” 
Patricia E. Deegan, Ph.D.*
  
Pela autenticidade do testemunho, esforço-me por me lembrar de uma experiência vivida de sofrimento. Da recuperação. Do período de transição de uma situação que não volta, ou que percebemos, por fim, que deliberadamente teremos de abdicar. Centra-nos. Temos de ser nós, da pessoa contra si mesma.
Talvez possamos reconhecer os erros, sem culpas, mas não poderemos começar do princípio. Do princípio não. Para outro destino. 
Sem que seja um salto no vazio, é urgente acreditarmos, pacientemente, que vamos ficar bem passadas as provações e que as dificuldades serão temporárias.
Qualquer mudança deverá parecer-nos bem-vinda, e trocarmos pelo caminho, os máximos desejos, por pequenas vitórias alcançáveis. Serão pedacinhos de controlo. Esta parte de nós resiste, mantém-se saudável, o sofrimento não contaminou tudo, mas nunca se sabe quando se estará pronto, sabe-se que pela metamorfose, se sobreviveu. 
O esperado, nas palavras de Coimbra de Matos, que possamos adquirir um modo de ser  "...mais resistente e sobremaneira mais eficiente de dar a volta por cima, construir uma outra e superior maleabilidade e endurance (tenacidade)".
Na transformação da dor, a ferida vira tatuagem, para no futuro, não nos esquecermos que fomos mais fortes do que aquilo que nos afetou e que devemos honrar a nossa evolução. 

* Patricia E. Deegan PhD "Recovery, Rehabilitation and the Conspiracy of Hope" (está online: http://www.state.sc.us/dmh/recovery_rehab_conspiracy.htm)

segunda-feira, 23 de junho de 2014

O amor que se vai | Flávio Gikovate



No mundo contemporâneo, os relacionamentos são menos definitivos e as separações ficaram tão cotidianas... Mas ainda sempre muito doloridas. Diante da perda de algo ou alguém importante, impossível não sentir que “meu mundo caiu”.
E já que estamos passando por uma epidemia de separações geradas pela crise mundial (perda de emprego, perda de bens, mudança de país, e separações amorosas propriamente ditas), talvez seja mesmo a hora de falarmos desse assunto indesejado.
Diante dos efeitos catastróficos de uma separação, é preciso ter também um lado prático. Se meu mundo caiu, como vou reconstruí-lo?
Palestra de Flávio Gikovate no programa Café Filosófico CPFL gravada no dia 30 de setembro de 2009, em São Paulo.
ACEDER aos 252 vídeos do Instituto CPFL, em

domingo, 15 de junho de 2014

Da esperança


Cena da série: Era uma vez… Canal axn, Portugal


A Branca de Neve para Emma Swan:
" Acreditar mesmo na possibilidade de um final feliz é algo muito poderoso.”

António Coimbra de Matos:
“Acontece também que aceitamos melhor a realidade se podermos imaginar transformá-la e tivermos a esperança de que isso seja possível. “ Relação de Qualidade: penso em ti, Climepsi Editores.

Do tormento, restou a consciência de que nos assenta uma possível mudança. Não o sabemos claramente, mas chega-nos diferentes e criativas formas de sentir. Poderemos estar prontos para uma próxima etapa.
A esperança surge, por definirmos metas, sermos capazes de planear e concretizar os nossos propósitos- a saudável busca do controle.
Na ligação com o outro (ou com o sistema político), de este nos conseguir convencer por meio de genuínas expressões, que está comprometido connosco. Fomos ouvidos e os nossos esforços reconhecidos. Sossegam as nossas inquietações. Agora, mais facilmente confiamos nele e na sua capacidade de não se deixar dominar pelos interesses que o possam desviar deste compromisso.

sábado, 14 de junho de 2014

Jorge Forbes

Entrevistas ao psicanalista Jorge Forbes

O PODER dos FRACOS

QUEM TEM SUCESSO É SOLITÁRIO




TRAIÇÃO

sábado, 7 de junho de 2014