segunda-feira, 31 de outubro de 2011

À espera do que não existe


Lucian Freud Girl with a Kitten

Que força permite determinada mulher ou homem, suportar ser tratado como coisa, por um parceiro perverso narcísico?
Não se trata de uma relação sado-masoquista como por vezes se julga, ou de alguém que no lugar de vítima, provoca as agressões. Trata-se de “um casal conduzido por um perverso narcísico que constitui uma associação mortífera: a maledicência, os ataques subterrâneos são sistemáticos" (Hirigoyen). Esse processo só é possível pela exagerada tolerância da parceira (Hirigoyen), mas são as estratégias do perverso, que lhe provocam culpabilidade, medo e dúvidas.
O perverso narcísico não sabe ser de outro modo, enquanto a vítima tem possibilidade de escolher outro modo de vida.
É dessa tolerância que fala este texto de André Martins:

"O paradoxo é o de que a vítima se enreda e se torna vítima, justamente por julgar-se forte, ao menos no fundo; por julgar-se capaz de superar o sofrimento advindo da agressão injusta, e obter, ao final, a grande recompensa de sua capacidade de resiliência, persistência e habilidade sobre o outro: recompensa que é, precisamente, o amor do agressor que até então acena com este amor seduzindo- a, mas na prática a desprezando mais do que supostamente a ama. Ou ainda, a recompensa esperada pela vítima seria o reconhecimento, por parte do agressor, do amor que ele, na verdade e no fundo, sentiria pela vítima, mas não sabe, ou não consegue expressar, devido a suas dificuldades afetivas e relacionais. O jogo do agressor consiste, assim, em dar a entender que ama a vítima, mas em não declarar, não enunciar este amor, ou fazê-lo cada vez menos ao longo da relação, e sempre de maneira ambígua, ambivalente, fugidia. E em alternar entre seduzir a vítima, e, nos momentos de crise, agredi-la fortemente com palavras que tocam seus pontos fracos e a desestabilizam. As vítimas obedecem ao agressor “primeiro, para dar prazer a seu parceiro, [...] pois ele tem um ar infeliz.
Depois, [...] por medo” (HIRIGOYEN, 2002, p. 110). Nem que seja por medo de seu mau humor. “A submissão é aceita como necessidade de reconhecimento e parece preferível ao abandono” – reconhecimento que não virá nunca, ou se vier, virá sempre mitigado e parcial. “Como um perverso dá pouco e exige muito, uma chantagem implícita ou, pelo menos, uma dúvida torna-se possível: ‘Se eu me mostrar mais dócil, quem sabe ele poderá, enfim, me apreciar ou me amar.’ Busca sem fim, pois o outro não estará jamais satisfeito”. A vítima fica paralisada “pela recusa em ver que ela é rejeitada” ou para evitar o constrangimento e o desgaste de um conflito – pois sabe que qualquer contrariedade fará com que o agressor deflagre um conflito.
Assim, “o agressor mantém no outro uma tensão que equivale a um estado de estresse permanente”. Se isso fica explícito na relação de casal, algo análogo ocorre também em relações dentro de grupos sociais ou profissionais.
Enquanto que o ego do agressor se caracteriza por um narcisismo perverso, o ego da vítima é um ego paradoxalmente forte, não fraco, mas frágil e carente: não dependente da aprovação do outro, mas desejoso desta aprovação. É um ego desejoso de dar, de auxiliar, pois servir faz sentir-se dando ao outro aquilo que ele desejaria receber. Daí – de sua força, no sentido de resistência ao desamor – vem sua fragilidade que o faz colocar-se em relação com alguém que não lida bem com o receber, pois considera que a mãe, e portanto, o outro, o ambiente e o mundo, lhe deve algo, numa dívida sem fundo e sem fim. Um deseja dar amor ao ponto de buscar aquele que demasiadamente não o teve, enquanto que este cobra um amor que não existe, permanecendo insatisfeito.
Ao invés de reconhecer o amor do outro, sente necessidade em desmerecê-lo.
Quanto mais um se dedica ao outro, mais o outro despreza esta devoção. E trata de manter a relação manipulando-a através do assédio, aceito pelo outro na intenção de este findar, de superá-lo, de vencer as dificuldades da relação e se fazer amar."

André Martins, Uma violência silenciosa: considerações sobre a perversão narcísica Cadernos de Psicanálise, Rio de Janeiro, ano 31, nº22, 2009. Está online, aqui. ou aqui.





Sem comentários: