sábado, 22 de outubro de 2011

Pequenas perceções

Photobucket
 Cinemagraphs Gifs de Jamie Beck

Consideremos um rosto e, nesse rosto, um sorriso. O sorriso pretende ser amigável, mas, apesar disso, apercebemo-nos de um não sei quê que nos revela exatamente ao contrário: esconde uma profunda antipatia, hostilidade até. Mas só um olhar atento capta este afastamento entre aquilo que o sorriso pretende exprimir e aquilo que realmente exprime. Este afastamento é apercebido graças às pequenas perceções: é um sorriso imperceptivalmente hipócrita. José. N. Gil, Les Enjeux du Sensible. Revista Chiméres, nº 39

Os nossos encontros são feitos destas pequenas perceções e das outras que nos fazem sentir verdadeiramente acompanhados.
São detalhes mínimos da comunicação que pertencem ao reino do indizível e do íntimo. Falar deles a alguém, é uma experiencia solitária.
Devíamos dar mais valor às pequenas perceções. Os nossos pensamentos sobre as pessoas nascem desta essência afetiva.




5 comentários:

Rosa Leonor disse...

gOSTO MUITO DAS SUAS "PEQUENAS PERCEPÇÕES"...da sua subtiliza e profundidade...Não resisto a manifestar-lhe a minha ...gratidão?
Acho que é por isto, por aliar a ética e a estética no aprofundamento da psique humana...
rleonor

cristina simões disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
cristina simões disse...

Olá Rosa Leonor
Muita generosidade sua. Como não costumo materializar com possíveis exemplos de vida, de modo a que as pessoas, de acordo com as suas experiências, se possam reconhecer, é sempre duvidoso saber se encontram sentido nas minhas palavras. É reconfortante saber.
P.S.(o comentário que removi é da minha autoria- tinha uma frase incompleta)
Fique bem

$hort disse...

Vim ler os últimos posts do seu blog e, a propósito de Valter Hugo Mãe, acabei de ler "o remorso de baltazar serapião" que gostei bastante de ler e recomendo. Tem enquadramento no ambito neste blogue e dá uma ideia de quão incalculável é a imperfeição.

;)

cristina simões disse...

Agradeço a recomendação. Possivelmente vou começar, então por essa obra.
A escolha do título deste meu blogue, teve a ver com essa consciência de que fala.
Obrigada