sábado, 16 de junho de 2012

Egocentrismo e malevolência

Diálogo do filme O Cisne Negro: "A única pessoa no teu caminho és tu própria"

Há autores que eu reconheço competência cujas declarações são para mim como uma obra de arte (científica) que se deve respeitar. A autora deste texto, sobre a inveja, é uma das que  admiro bastante:
"O motor do núcleo perverso é a inveja, o objetivo da apropriação. 
A inveja é um sentimento de cobiça, de irritação odienta à vista da felicidade, das vantagens de outrem. Trata-se de uma mentalidade agressiva que se baseia na perceção do que o outro possui e de que se é desprovido. Esta perceção é subjetiva, pode mesmo ser delirante. A inveja comporta dois pólos: egocentrismo por um lado e a malevolência, com vontade de prejudicar a pessoa invejada, por outro lado. Isso pressupõe um sentimento de inferioridade em relação e essa pessoa, que possui o que é cobiçado. O invejoso lamenta ver o outro possuir bens materiais ou morais, mas ele é mais desejoso de os destruir do que os adquirir. Se os tivesse, não saberia o que fazer com eles. Não dispõe de recursos para tanto. Para preencher a distância que separa o invejoso do objeto da sua cobiça, basta humilhar o outro, aviltá-lo. O outro assume assim os traços de um demónio ou de uma feiticeira.
O que os perversos invejam, antes de tudo, é a vida no outro. Eles invejam o sucesso dos outros, que os põe perante o seu próprio sentimento de fracasso, pois eles não estão mais contentes com os outros do que consigo mesmo;  nunca nada corre bem, tudo é complicado, tudo é uma provação. Eles impõem aos outros a sua visão pejorativa do mundo e a sua insatisfação crónica em relação à vida. Eles quebram todo o entusiasmo à sua volta, procuram antes de mais nada demonstrar que o mundo é mau, que os outros são maus, que o parceiro é mau. Pelo seu pessimismo, eles arrastam o outro para um registo depressivo para, em seguida, lho censurar. O desejo do outro, a sua vitalidade mostram-lhes as próprias carências.”
Marie-France Hirigoyen Assédio, Coação e Violência no Quotidiano Pergaminho

Sem comentários: