quinta-feira, 30 de agosto de 2012

O encanto

René Magritte Le Miroir Magique

“Achavam-me encanto, imagine! Sabe o que é isto de encanto: uma maneira de ouvir responder sim, sem ter feito nenhuma pergunta clara.”  Albert Camus, A Queda
Fascinada pelo outro, pretendo que as minhas palavras o influenciem magicamente, que o enfeiticem. Avanço nesta busca. Mas o pensamento não parece obedecer por estar desencontrado das palavras que se deveriam sexualizar, e cancelar as indecisões sobre a perfeição do encontro. O embaraço atinge-me. Só me ocorre dizer sim.
Mais tarde, recupero as palavras, o corpo. Tento explicar uma inquietação: não sei se falei demais, ou de menos e se o seu desejo desapareceu entre o meu modo desajeitado.
(O estado de encantamento não permite a lucidez e a frieza da afirmação da personagem de “A Queda”, pelo que, é uma expressão de cinismo.)
 

Sem comentários: